URLs separados

Nesta configuração, cada URL para computador tem outro URL equivalente que exibe o conteúdo otimizado para dispositivos móveis.

Uma configuração usual seria a de páginas em www.example.com exibirem aos usuários de computador as páginas correspondentes exibidas em m.example.com a usuários de dispositivos móveis. O Google não favorece um formato de URL específico, contanto que todos sejam acessíveis a todos os user agents do Googlebot.

Os URLs separados para dispositivos móveis exibem códigos diferentes para computadores e dispositivos móveis (e, talvez, até mesmo para tablets) e em URLs diferentes.

TL;DR ("muito longo, não li", na sigla em inglês)

  • Sinalize a relação entre dois URLs pela tag <link> com elementos rel="canonical" e rel="alternate".

  • Detecte as strings de user agent e as redirecione corretamente.

Anotações para URLs de computador e de dispositivos móveis

Para ajudar nossos algoritmos a entender URLs de dispositivos móveis separados, recomendamos o uso das seguintes anotações:

  1. Na página para computador, adicione uma tag rel=”alternate” de link especial que aponte para o URL. Isso ajuda o Googlebot a descobrir a localização das páginas para dispositivos móveis do seu site.
  2. Na página para dispositivos móveis, adicione uma tag rel=”canonical” de link que aponte para o URL de computador correspondente.

Oferecemos suporte a dois métodos de criação dessa anotação: no HTML das páginas em si e nos sitemaps. Por exemplo, suponha que o URL para computador seja http://example.com/page-1 e o URL para dispositivos móveis correspondente seja http://m.example.com/page-1. As anotações nesse exemplo seriam assim:

Anotações no HTML

Na página para computador (http://www.example.com/page-1), adicione:

<link rel="alternate" media="only screen and (max-width: 640px)"
 href="http://m.example.com/page-1">

Na página para dispositivos móveis (http://m.example.com/page-1), a anotação necessária seria:

<link rel="canonical" href="http://www.example.com/page-1">

Essa tag rel="canonical" no URL de dispositivos móveis que direciona à página para computador é obrigatória.

Anotações em sitemaps

Apoiamos a inclusão da anotação rel=”alternate” em páginas para computador nos sitemaps da seguinte maneira:

<?xml version="1.0" encoding="UTF-8"?>
<urlset xmlns="http://www.sitemaps.org/schemas/sitemap/0.9"
xmlns:xhtml="http://www.w3.org/1999/xhtml">
<url>
<loc>http://www.example.com/page-1/</loc>
<xhtml:link
rel="alternate"
media="only screen and (max-width: 640px)"
href="http://m.example.com/page-1" />
</url>
</urlset>

A tag rel="canonical" obrigatória no URL de dispositivo móvel ainda deve ser adicionada ao HTML da página para dispositivo móvel.

Anotação em detalhes

Veja os atributos da tag de link na página para computador:

  • O atributo rel=”alternate” sinaliza que essa tag especifica um URL alternativo à página para computador.
  • O valor do atributo de mídia é uma string de consulta de mídia CSS que especifica os recursos que descrevem quando o Google deve usar o URL alternativo. Nesse caso, estamos usando uma consulta normalmente usada para segmentar dispositivos móveis.
  • O atributo href especifica o local do URL alternativo, ou seja, a página em m.example.com.

Essa anotação de mão dupla (“bidirecional”) ajuda o Googlebot a descobrir seu conteúdo e nossos algoritmos a entender a relação entre suas páginas para computador e dispositivos móveis, tratando-as de modo apropriado. Quando você usa URLs diferentes para exibir o mesmo conteúdo em formatos diferentes, a anotação diz aos algoritmos do Google que os dois URLs possuem conteúdo equivalente e precisam ser tratados como uma só entidade em vez de duas. Se as versões para computador e para dispositivos móveis da página são tratadas como entidades separadas, tanto o URL de computador quando o de dispositivos móveis pode ser exibido nos resultados de pesquisa para computador e sua classificação pode ser inferior àquela em que o Google entende a relação entre elas. Além disso, veja alguns erros comuns nessa configuração:

  • Ao usar a marcação rel=”alternate” e rel=”canonical”, mantenha uma relação de um para um entre a página para dispositivo móvel e a página para computador correspondente. Evite especialmente a anotação em que muitas páginas para computador se referem a uma única página para dispositivos móveis (ou vice-versa).
  • Verifique cuidadosamente seus redirecionamentos: certifique-se de que as páginas para computador não redirecionem por acidente a uma única página para dispositivos móveis não relacionada.
Se você decidir implementar um site para dispositivos móveis separado, fique atento aos erros comuns, como problemas de redirecionamento para os usuários de dispositivos móveis.

Redirecionamento automático

Quando um website é configurado para apresentar a versão de computador e a versão móvel usando diferentes URLs, o webmaster pode desejar redirecionar os usuários automaticamente ao URL mais adequado. Se o website usar redirecionamento automático, trate os Googlebots como quaisquer outros user agents e os redirecione da maneira apropriada.

Técnicas de redirecionamento compatíveis

Existem duas alternativas de redirecionamento com as quais o Googlebot é compatível.

  • Redirecionamentos HTTP
  • Redirecionamentos JavaScript

Como usar os redirecionamentos HTTP

O redirecionamento HTTP é muito usado para redirecionar clientes a URLs específicos do dispositivo. Em geral, o redirecionamento é feito com base no user agent no cabeçalho de solicitação HTTP. É importante manter o redirecionamento consistente com o URL alternativo especificado na tag rel=”alternate” do link da página ou no sitemap.

Para essa finalidade, não importa se o servidor redireciona o cliente com um código de status HTTP 301 ou 302, mas o uso do código 302 é recomendado sempre que possível.

Redirecionamentos JavaScript

Se for difícil implantar o redirecionamento HTTP, você poderá usar o JavaScript para redirecionar usuários para os URLs indicados pela tag link rel="alternate". Se você optar por usar essa técnica, lembre-se da latência causada pelo redirecionamento do lado do cliente devido à necessidade de primeiro fazer o download da página, analisar e executar o JavaScript antes de acionar o redirecionamento.

Há muitas abordagens para a implantação de um redirecionamento baseado em JavaScript. Por exemplo, é possível usar o JavaScript para executar as consultas de mídia já usadas pelo site nas anotações de link na página com a função JavaScript matchMedia().

Redirecionamentos bidirecionais vs. unidirecionais

Diferentes sites implantam diferentes políticas de redirecionamento. Alguns só redirecionam os usuários de dispositivos móveis que visitam uma página de computador para a página para dispositivos móveis (redirecionamentos "unidirecionais"), enquanto outros websites redirecionam os usuários de dispositivos móveis e de computador se eles visitam, respectivamente, páginas em sites para computador e dispositivos móveis (redirecionamentos "bidirecionais").

Para o Googlebot, não temos preferências e recomendamos que os webmasters levem em consideração os usuários no momento de decidir sobre a política de redirecionamento. O mais importante é efetuar redirecionamentos corretos e consistentes, ou seja, redirecionar o usuário para o conteúdo equivalente no site para computador ou dispositivo móvel. Se sua configuração estiver incorreta, alguns usuários não conseguirão ver seu conteúdo.

Além disso, sugerimos que seja dada aos usuários a possibilidade de modificar a política de redirecionamento, ou seja, permitir que os usuários de dispositivos móveis visualizem a página para computador e permitir que os usuários de computador visualizem a página para dispositivo móvel, se assim desejarem.

Enviar comentários sobre…